Últimas do Mix

Bebê de 8 meses engole pedras de crack do pai e é internada

 

Foto: Reprodução Google Street View

Uma bebê de apenas 8 meses precisou ser internada após engolir duas pedras de crack em Divinópolis, na região Centro-Oeste de Minas Gerais. De acordo com o boletim de ocorrência, a droga estava no tapete da casa da vítima e a criança brincava no chão quando pegou as pedras de crack e engoliu.

A Polícia Militar foi acionada pelo Conselho Tutelar no Complexo Hospitalar São João de Deus, depois que os pais da vítima, uma jovem de 21 anos e um jovem de 20, levaram a bebê para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, na segunda-feira dia 20 de junho e contaram sobre ela ter ingerido a droga. A criança precisou ser transferida para o hospital por causa da gravidade. Até esta quarta-feira dia 23, a criança continuava internada.

A família não permitiu que o hospital divulgasse o estado de saúde da bebê.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o pai disse que a filha brincava no tapete quando achou as pedras de crack, que eram dele, e engoliu. O homem disse ser usuário de drogas.

Quando o casal viu que ela tinha ingerido a droga, pegaram a menina e levaram imediatamente ao hospital. Ela foi encaminhada para uma sala vermelha, de casos que exigem mais atenção.

O pai da vítima foi preso e encaminhado para Delegacia de Polícia Civil da cidade que investiga o caso, mas não ficou preso por ter alegado ser apenas usuário e por nenhuma droga ter sido encontrada com ele. Além disso, a polícia aguarda o laudo médico para saber se a menina realmente fez a ingestão de crack.

“A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) instaurou inquérito para investigar se houve a prática do crime de expor a vida ou a saúde de outrem a perigo, previsto no art. 132 do Código Penal. Os pais da criança foram ouvidos nessa segunda-feira (21/6), e o prontuário de atendimento da criança requisitado à unidade de saúde. Os fatos seguem em apuração na Delegacia Regional de Polícia Civil em Divinópolis”, informou a polícia por nota.

Fonte: O Tempo

Nenhum comentário