Últimas do Mix

Talibã ameaça reagir se EUA não retirarem tropas até dia 31

 

Foto: EPA / Ansa - Brasil

O grupo fundamentalista islâmico Talibã ameaçou reagir se os Estados Unidos e o Reino Unido prorrogarem o prazo para concluir a retirada de suas tropas do Afeganistão.

A declaração chega poucos dias depois de o presidente dos EUA, Joe Biden, ter dito que os militares podem seguir em território afegão além de 31 de agosto para terminar a evacuação de americanos e refugiados.

"Haverá consequências se os EUA ou o Reino Unido tentarem ganhar tempo para continuar as evacuações no Afeganistão", declarou Suhail Shaheen, um dos porta-vozes do Talibã, em entrevista à emissora britânica Sky News.

"O presidente Biden anunciou que em 31 de agosto terá retirado todas as tropas americanas. Então se estenderem o limite significa que estarão prorrogando a ocupação", disse Shaheen, acrescentando que isso representaria uma "quebra de confiança" e provocaria uma "reação".

O prazo para retirada das tropas de ocupação deve ser um dos temas da reunião virtual dos líderes do G7 convocada para esta terça-feira (24) pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

Segundo a imprensa britânica, o premiê tentará pressionar Biden a prorrogar o prazo além de 31 de agosto para permitir a evacuação de civis no aeroporto de Cabul, que está sob controle dos militares dos EUA.

Em entrevista à rede BBC, o ministro das Forças Armadas do Reino Unido, James Heappey, disse que a evacuação terá fim assim que as tropas dos EUA forem embora. "Se não for possível estender [o prazo], então precisaremos continuar com nossos planos de sair até 31 de agosto. Se este for o caso, cada minuto conta para tirar o maior número possível de pessoas", declarou.

Enquanto isso, o aeroporto de Cabul segue sendo palco de tensões. Pelo menos um soldado afegão morreu e outros três ficaram feridos nesta segunda-feira (23) em um tiroteio em uma das entradas do local, para onde milhares de pessoas se dirigem na tentativa de encontrar lugar nos voos de evacuação.




Fonte: ANSA

Nenhum comentário