Últimas do Mix

Atritos políticos: Coronel Menezes se refere a Marcelo Ramos como 'imundície de ser humano'

Foto: Reprodução
Com eleições de 2022 às portas, discórdias e atritos políticos estão se tornando cada vez mais constantes. O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), considerado pela grande mídia como um forte crítico ao governo Bolsonaro, terá que lidar com a chegada do presidente em seu partido.

O Partido Liberal (PL), que meses atrás já teria se colocado à disposição para aceitar o presidente Jair Bolsonaro na sigla, destacando que essa eventual filiação, ajudaria o partido a crescer e formar muitos deputados, senadores e governadores.

Em entrevista à CNN Brasil, o deputado federal Marcelo Ramos afirmou que a hipótese de fazer parte do mesmo partido lhe causa constrangimento.

“É um profundo constrangimento para mim, dividir o mesmo partido com o presidente Bolsonaro. Eu não tenho dúvida que um presidente da República é muito mais importante para um partido, que um deputado federal, mas também não tenho dúvida de que o futuro de um país é muito mais importante que um projeto eleitoral de um partido”, pontuou Ramos.

Nos bastidores da política, há rumores de que Marcelo Ramos pretende deixar o PL para não precisar apoiar Bolsonaro durante a campanha das eleições de 2022, entretanto, o parlamentar disse que não tem nada definido.

“Eu não vou tomar nenhuma decisão precipitada, vou esperar a oficialização disso para me manifestar sobre minha vida partidária. Mas o que posso dizer, é que é um constrangimento para mim, porque eu não considero que o presidente Bolsonaro seja bom para o futuro do país”, explicou o deputado.

O ato de filiação de Bolsonaro deve acontecer no dia 22 de novembro, em Brasília.

Além de Bolsonaro, Marcelo Ramos pode ter mais uma dor de cabeça: Coronel Menezes, um articulista político, militar da reserva e apoiador empenhado do presidente.

Menezes também deve disputar nessas eleições para vaga de senador, e como um bom seguidor de Bolsonaro, cogita entrar para o mesmo partido para ter sua campanha alavancada ao lado do presidente. Ao ser questionado pelo jornal Folha de São Paulo sobre a possibilidade de estar no mesmo partido que o deputado federal Marcelo Ramos, Coronel Menezes afirmou: “Ele é uma imundície de ser humano porque não tem valores. Engana a todos e só quer o poder pelo poder”.

No Amazonas, o PL é comandado pelo ex-senador Alfredo Nascimento, que tende a se alinhar a Bolsonaro e concorrer a uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Nenhum comentário