Últimas do Mix

Bototerapia ajuda pessoas com deficiência há 15 anos no Amazonas

Foto: Divulgação
Há dez anos fazendo bototerapia, Glenda Neves e Silva, de 14 anos, melhorou o quadro de espasticidade – um distúrbio congênito que dificulta os movimentos. A fisioterapeuta Jéssica Alves, mãe da jovem manauara, conta que a filha nasceu prematura e que o tratamento com botos também trouxe benefícios comportamentais.

Jéssica e Glenda fazem parte das mais de 300 famílias beneficiadas pelo trabalho voluntário do fisioterapeuta Igor Simões, que há 15 anos promove a bototerapia para pessoas com deficiência nas águas do rio Negro, no Amazonas.

Depois de um ano de atividades suspensas por causa da pandemia, as sessões de fisioterapia assistida por golfinhos, ou botos-cor-de-rosa, voltaram a ser realizadas no mês passado.

Crianças órfãs deficientes do abrigo Moacyr Alves foram as primeiras a retomarem o tratamento. O grupo fez o trajeto de barco de Manaus até o município de Iranduba, a cerca de 20 quilômetros da capital do Amazonas. Além dos cuidados com a saúde, o projeto inclui lições de educação ambiental, como explica Igor Simões.

O fisioterapeuta ressalta que, na Amazônia, a bototerapia é realizada com os animais livres, diferente de países como França e Estados Unidos, onde os golfinhos que interagem com os pacientes vivem em cativeiro. Além de seguir princípios de sustentabilidade, o trabalho realizado por Igor Simões é definido a partir da limitação de cada paciente.

Para manter o projeto, Igor Simões pede a ajuda de patrocinadores para arcar com gastos como o frete do barco, coletes salva-vidas, óculos de mergulho, entre outros. Interessados, podem fazer contato com o criador do projeto pelas redes sociais.

Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário