Últimas do Mix

Cemitério indígena será entregue na próxima terça-feira, 19/4


A Prefeitura de Manaus entrega, 353 anos depois da fundação da cidade, no próximo 19/4, no Dia do Índio, o Cemitério Indígena de Manaus, localizado no cemitério Nossa Senhora Aparecida, bairro Tarumã, zona Oeste.

Os indígenas de Manaus passam a ter um novo espaço sagrado, três séculos e meio depois que o colonizador português aqui chegou, em 1669, e construiu, em cima do cemitério indígena ancestral, o Forte da Barra de São José, sob o comando do capitão de artilharia Francisco da Mota Falcão.

Os trabalhos de construção foram coordenados pela Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), bem como o projeto técnico-arquitetônico do campo-santo, com o conjunto dos cinco módulos de sepulturas verticais em gavetas, o portal de entrada exclusivo, as ocas cerimoniais, os jardins de ervas e a decoração com grafismo indígena, que foram apresentados pelo secretário da pasta, Altervi Moreira.

O cemitério indígena tem 216 gavetas em cada um dos cinco módulos, totalizando 1.080 espaços no campo-santo. A preparação das ocas, o jardim e a pintura do grafismo estão sendo realizados pela Coordenação dos Povos Indígenas de Manaus e Entorno (Copime).

“As obras do cemitério indígena estão a pleno vapor. A previsão é que entreguemos o espaço na próxima terça-feira, 19/4. O cemitério tem uma grande importância para as etnias aqui em Manaus. É o único cemitério nesta modalidade no Brasil. Isso terá um impacto positivo em nível nacional e até internacional.  Atualmente os indígenas estão realizando suas artes em cada bloco”, destacou Altervi.

O secretário adiantou que a parte da pintura está 80% concluída. E nestes últimos dias serão construídas as malocas para realizar velório e dança, conforme a cultura de cada etnia. “Esta determinação de construção foi feita pelo prefeito David Almeida, junto com o antigo secretário, Sabá Reis”, disse o secretário.

Reconhecimento

O diretor-presidente da Manauscult, Alonso Oliveira, destacou que esta é uma reparação histórica como forma de reconhecer os primeiros habitantes de nossa cidade. “Estamos entregando mais um importante projeto para os povos indígenas de nossa cidade, fruto de um trabalho integrado de diversas secretarias com o aval do prefeito David Almeida”, disse.

O presidente do Concultura, Tenório Telles, relembrou que as movimentações em torno do cemitério indígena de Manaus surgiram no início da gestão do prefeito David Almeida, ocasião em que ele foi procurado por um grupo de indígenas que apresentaram suas pautas e reinvindicações. “Entre elas estava o anseio por um reconhecimento e acolhimento da memória das populações indígenas que vivem na cidade de Manaus”, contou.

Memória resgatada

Para a coordenadora da Copime, Marcivana Saterê-Maué, o cemitério indígena tem um significado importante. Ela também ressaltou que os antepassados deixaram vestígios para a cidade.

“Eles deixaram memórias ancestrais nas cerâmicas que são encontradas. E hoje temos a possibilidade, por meio do cemitério, de trazermos essa memória, uma memória presente, o cemitério estará presente para nós e ficará para as gerações futuras”, disse.

Memorial Indígena

Os Indígenas de Manaus conseguiram resgatar em 2021 o território sagrado com a criação do memorial Indígena de Manaus, inaugurado pelo prefeito David Almeida com o histórico pedido de perdão pela indiferença e invisibilidade a que foram submetidos os povos indígenas desde os primórdios da cidade de Manaus.

A praça Dom Pedro II, localizada no centro histórico da capital amazonense, teve reconhecida sua necrópole dos povos ancestrais no Dia do Índio, 19 de abril, com a inauguração do Memorial Aldeia da Memória Indígena de Manaus, um projeto da Prefeitura de Manaus reivindicado pelas populações indígenas em honra dos povos tradicionais que ali habitavam há mais de 800 anos, muito antes da presença de europeus em 1542, data do primeiro massacre da expedição espanhola comandada por Francisco Orellana.

Na oportunidade, o prefeito David Almeida disse que o poder público municipal estava reconhecendo nesse ato uma injustiça histórica e devolvendo o cemitério indígena para os povos que resistiram há mais de 350 anos às agressões. “Peço perdão em nome do povo de nossa cidade por todos esses anos a que foram submetidos a uma invisibilidade quanto ao protagonismo de seus conhecimentos, fazeres e contribuição genética à formação rica do povo amazonense”, disse David Almeida.

“Um memorial em respeito à importância dos povos indígenas e tradicionais que povoaram a cidade e iniciaram nosso processo histórico. Toda a população de Manaus precisa visitar esse local para conhecer nossa origem, nossa história e defendê-la”, ressaltou o prefeito.

No evento, Almeida anunciou que para que o erro não se repita, quanto ao desrespeito no cuidado dos mortos das populações indígenas, a prefeitura realizaria a construção da ala exclusiva para os indígenas no cemitério Tarumã.

Fazendo parte do memorial, um mural de 34 metros de comprimento, no muro da sede da Manauscult em frente à praça, foi pintado pelo artista Fábio Ortiz, com quatro imagens da presença indígena em Manaus. O espaço é uma das atrações do Memorial Aldeia da Memória Indígena de Manaus. O mural mostra uma reprodução de imagens retiradas de livros históricos, com o mapa das calhas dos rios onde existe a forte presença dos povos indígenas no Amazonas, desde muito antes da presença europeia, além do herói-ícone da luta, o grande  Ajuricaba; com referências os Manaós e ao cemitério indígena primitivo, quando da chegada do colonizador.

Grupo de trabalho

O grupo de trabalho montado pela prefeitura, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult, criando o memorial pela importância histórica, arqueológica e antropológica do cemitério indígena, que é considerada uma área sagrada, reivindicada há muito tempo pelas etnias do Amazonas.

Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam), João Paulo Barreto Tukano foi um dos representantes do movimento indígena e da academia que reivindicaram o reconhecimento da área como sagrada, uma necrópole histórica.

“Manaus foi fundada em cima de um grande cemitério indígena, de nossos antepassados, e precisamos ter o devido respeito aos nossos povos originais que merecem o resgate da memória e importância histórica pelo que significam no nosso processo civilizatório”, relatou o indígena.

O grupo de trabalho foi convocado pelo presidente do Conselho Municipal de Cultura (Concultura), Tenório Telles, e conta com membros do Conselho, Manauscult, Centro de Arqueologia de Manaus (CAM) e da Associação Indígena Yepemahasã dos Povos Indígenas do Alto Rio Negro.

“Uma sociedade que não valoriza sua memória é uma sociedade que cai no esquecimento e na ignorância. Daí ser esse um dos fundamentos do Conselho de Cultura, em parceria com a Manauscult”, afirmou Telles, destacando que essa ação está no escopo do trabalho da gestão atual para resgatar e preservar a memória ancestral da cidade de Manaus e do Estado do Amazonas.

Sítio arqueológico

O Memorial Aldeia da Memória Indígena de Manaus foi um marco para o resgate do verdadeiro início do processo cultural da cidade de Manaus, com os vestígios desse cemitério indígena, onde hoje está uma placa marcando e informando o local para a visitação pública e realização de cerimônias religiosas das muitas etnias que habitam o Amazonas.

Informações do Centro de Arqueologia de Manaus (CAM) mostram que o material arqueológico mais antigo presente no sítio Manaus é pertencente às fases Manacapuru (século V ao IX d.C.) e Paredão (VII ao século XII d.C.)

O memorial é resultado de pesquisas arqueológicas, que datam desde registros de 1860, com a pintura de uma urna funerária feita pelo naturalista francês Paul Marcoy, em Manaus. Já na década de 1950 têm início as pesquisas com o arqueólogo alemão Peter Paul Hilbert.

A confirmação do sítio indígena veio no início da década de 1960, quando Hilbert e o historiador Mário Ypiranga Monteiro resgataram uma urna entre a praça e o edifício do Iapetec. Em 2002, na obra de reforma da praça Dom Pedro II, com as escavações arqueológicas lideradas pelo arqueólogo Eduardo Neves, da Universidade Federal de São Paulo (USP), foram encontradas mais de 300 urnas funerárias.

No centro de Manaus também foram encontrados vestígios arqueológicos na igreja da Matriz, na avenida Eduardo Ribeiro e na praça Adalberto Valle.

A entrega do Cemitério Indígena de Manaus, pela Prefeitura de Manaus, para essa população que vive hoje em Manaus, é um ato de reconhecimento dos povos Indígenas e suas tradições, e principalmente um gesto de valorização de nossa ancestralidade Indígena.

Nenhum comentário