Últimas do Mix

Reino Unido coloca em ação a operação London Bridge; veja os próximos passos

 

Com o anúncio da morte da rainha Elizabeth II, o palácio de Buckingham colocará em prática a plano - Foto: Divulgação

O Reino mundo parou nesta quinta-feira (8) com o anúncio da morte da rainha Elizabeth II, aos 96 anos. Agora, o palácio de Buckingham colocará em prática a operação London Bridge, que consiste em um plano com os próximos passos após a morte.

O protocolo funciona da seguinte forma: Sir Edward Young, secretário pessoal da rainha, foi o primeiro funcionário a ser informado logo após as equipes médicas avisarem familiares próximos, incluindo o herdeiro do trono, o príncipe Charles.

Young, então, fez uma ligação para a primeira-ministra, Liz Truss, para dizer a frase "London Bridge is down" (A Ponte de Londres caiu, em tradução livre). Os funcionários do primeiro escalão foram informados por meio de uma linha interna segura, com a mesma frase.

O Centro de Resposta Global do Ministério das Relações Exteriores deu a notícia aos 15 governos dos países onde Elizabeth 2ª é chefe de Estado e para os outros 38 países da Commonwealth (Comunidade das Nações). Enquanto isso, um funcionário enlutado foi ao Palácio de Buckingham para colocar na porta da residência real uma nota oficial sobre a morte da monarca.

Os veículos de comunicação oficiais para o anúncio da morte da rainha foram a BBC News e a agência britânica Press Association. Na ocasião, os âncoras e repórteres estavam trajados em preto, e toda a programação dos canais será suspensa para uma ampla e detalhada cobertura do ocorrido.

Os sites, tanto de imprensa quanto da coroa britânica, também recebem um layout preto com uma mensagem de luto.

A partir de agora

O Parlamento será convocado em cerimônia especial e fará vários dias de luto. A posse do príncipe Charles, herdeiro da coroa britânica, deve ser proclamado nesta sexta-feira.

O dia da morte de Elizabeth será nomeado como Dia D, e todos os dias seguintes serão Dia D1, Dia D2, até o funeral, que ocorre ao 10º dia após o ocorrido.

Dia D+1

O Conselho de Adesão deve se reunir com Charles para proclamá-lo rei;

Todos os trabalhos parlamentares serão suspensos por 10 dias;

Reunião entre a primeira-ministra, governo e o novo rei.

Dia D+2

O caixão da rainha retornará ao Palácio de Buckingham pelo trem real ou de avião.

Dia D+3

O rei Charles receberá a moção de condolências no Westminster Hall;

Em seguida, embarcará numa viagem de luto pelo Reino Unido, começando pela Escócia. Ele receberá uma moção de condolências no Parlamento escocês e participará de um serviço na Catedral de St Giles, em Edimburgo.

Dia D+4

Charles chegará à Irlanda do Norte, onde receberá outra moção de condolências no Castelo de Hillsborough e participará de um serviço na Catedral de St Anne em Belfast;

Haverá um ensaio para o transporte do caixão entre o Palácio de Buckingham e o Palácio de Westminster

Dia D+5

O caixão da rainha será transferido do Palácio de Buckingham para o Palácio de Westminster através de uma rota cerimonial por Londres. Quando chegar, haverá um serviço memorial no Westminster Hall.

Dia D+6

O corpo da rainha ficará no Palácio de Westminster por 3 dias recebendo visitas. Os ingressos começarão a ser comercializados;

Será realizado um ensaio para o cortejo do funeral de Estado.

Dia D+7

Charles viajará para o País de Gales, para receber uma moção do Parlamento galês e assistir a um serviço na Catedral de Liandaff em Cardiff.

Dia D+8 e +9

Milhares de pessoas devem prestar suas homagens à monarca mais longeva da história do Reino Unido

Dia D+10

Este dia será proclamado Dia de Luto Nacional;

Funeral de Estado será realizado na Abadia de Westminster;

Haverá 2 minutos de silêncio ao meio-dia em todo o país;

Serão 2 procissões, em Londres e Windsor;

A Rainha será sepultada no Castelo de Windsor, na Capela Memorial do Rei George VI (ao lado de seu pai).


Informações Notícias da TV*

Nenhum comentário