Últimas do Mix

"Dava para ganhar a eleição", dispara Plínio Valério ao afirmar que teria chances de se tornar governador do Amazonas

Foto: Reprodução/Instagram
O senador Plínio Valério (PSDB), deu declarações polêmicas durante participação em um podcast, afirmando que seria um forte adversário para Wilson Lima (UB), e que teria chances reais de se tornar governador do Amazonas.

Na entrevista ao podcast 'Sim e Não', do Portal A Crítica, que aconteceu na quarta-feira (16), o senador detalhou sua opinião sobre os candidatos Wilson Lima e Eduardo Braga (MDB), que chegaram ao segundo turno das Eleições 2022.

Ao ser questionado pelo jornalista Dante Graça sobre sua pré-candidatura ao governo do Amazonas, Plínio afirmou que acredita que se tivesse continuado na caminhada pelo cargo, teria sido um adversário mais duro para Wilson Lima (UB), governador reeleito.

"Me perdoe a falta de humildade, dava para ganhar a eleição. Wilson Lima e Eduardo Braga, ganhou o que tinha a menor rejeição, até a semana da eleição, tinha 26% de eleitores indecisos, um absurdo o que tinha", pontuou o senador.

Na sequência, o senador disse que a eleição foi definida por índice de rejeição, e que a vitória de Lima não quer dizer que eles seja um forte nome na política.

"Se tivesse um candidato que fosse mais palatável, que não tivesse essa rejeição que o Eduardo tem em Manaus, teria ganho do Wilson Lima. Agora, 'ah, o Wilson Lima ganhou', ganhou porque alguém tinha que ganhar, um dos dois", afirmou.

Para reforçar a ideia de que poderia se tornar governador, Plínio falou sobre os votos expressivos que recebeu dos amazonenses.

"Eu teria trilhado, embora eu não tenha o perfil, eu teria sido, porque Manaus é decisivo, e as pessoas que gostam  muito de mim estão em Manaus. Eu tive 635 mil votos em Manaus na eleição passada, e 200 mil no interior", destacou o parlamentar.

Outro ponto ressaltado pelo senador foi que teria sido alvo de 'pernadas políticas' que teriam boicotado sua campanha de governador.

"A História não perdoa quem se omite, a História cobra, eu não me omiti, e coloquei meu nome à disposição, foi muita pernada, e acabou não sendo. Eu teria transitado sim, porque a população não queria nenhum dos dois, foi obrigada a eleger um", finalizou.

*Victoria Cavalcante - Mix de Notícias

Nenhum comentário