Últimas do Mix

'Vamos matar quem não abandonar cultura ocidental', dizem combatentes do Talibã

Reprodução - BBC


O “ghanimat” ou instrumentos de guerra que eles estão exibindo incluem um veículo utilitário militar Humvee, duas caminhonetes e uma série de metralhadoras poderosas.

No centro de uma multidão fortemente armada, está Ainuddin, um ex-estudante de escola religiosa (madrassa) de rosto impassível que agora é um comandante militar local.

Os insurgentes têm capturado novos territórios num ritmo que parece ser diário, à medida que as tropas internacionais praticamente se retiraram. No meio, está uma população apavorada.

Dezenas de milhares de cidadãos comuns afegãos tiveram de fugir de suas casas – centenas foram mortos ou feridos nas últimas semanas.

Eu pergunto a Ainuddin como ele pode justificar a violência, considerando a dor que ela está infligindo às pessoas pelas quais ele afirma estar lutando.

“É uma luta, então as pessoas estão morrendo”, ele responde friamente, acrescentando que o grupo está fazendo o possível para “não causar danos aos civis”.

Aponto que foi o Talibã que deu início à briga.

“Não”, ele retruca. “Tínhamos um governo e ele foi derrubado. Eles [os americanos] começaram a briga.”

Ainuddin e o restante do Talibã sentem que estão prestes a retornar ao domínio depois de serem derrubados pela invasão liderada pelos Estados Unidos em 2001.

“Eles não estão abrindo mão da cultura ocidental… então temos que matá-los”, diz ele sobre o “governo fantoche” em Cabul.

Logo após terminarmos a conversa, ouvimos o som de helicópteros acima de nós. O Humvee e os combatentes do Talibã se dispersam rapidamente. É um lembrete da ameaça contínua que a Força Aérea Afegã representa para os insurgentes – e de que a batalha ainda está longe do fim.

Estamos em Bactro, uma cidade com raízes antigas, considerada o local de nascimento de um dos poetas místicos mais famosos do Islã, Jalaluddin Rumi.

Tínhamos passado por aqui no início deste ano, quando ainda era controlado pelo governo, mas as aldeias remotas estavam sob controle do Talibã. Agora este é um dos cerca de 200 centros distritais capturados pelos militantes nesta última, e sem precedentes, ofensiva.

Um integrante do alto escalão do Talibã disse que o foco no norte foi deliberado – não apenas porque a região tradicionalmente tem visto uma forte resistência anti-Talibã, mas também porque é mais diversa.

Apesar de sua liderança central ser fortemente dominada por membros do grupo étnico pashtun, o integrante disse que o Talibã queria enfatizar que também incorporou outras etnias.

Haji Hekmat, um líder talibã local e integrante que nos recebeu em Bactro, está ansioso para nos mostrar como a vida cotidiana continua.

Jovens estudantes lotam as ruas (embora em outros lugares haja relatos de meninas sendo proibidas de frequentar a escola). A feira continua lotada, com homens e mulheres consumindo.

Fontes locais nos disseram que as mulheres só podiam comparecer com um companheiro do sexo masculino, mas quando fomos ao local esse não parece ser o caso. Em outros lugares, comandantes do Talibã têm sido muito mais rígidos.

Todas as mulheres que vemos, no entanto, estão usando a burca, cobrindo o cabelo e o rosto.

Haji Hekmat insiste que ninguém está sendo “forçado” e que o Talibã está simplesmente “pregando” que é assim que as mulheres devem se vestir.

Mas me disseram que motoristas de táxi receberam instruções para não levar nenhuma mulher à cidade, a menos que ela esteja totalmente coberta.

No dia seguinte à nossa partida, surgem relatos sobre uma jovem que foi assassinada devido à forma que se vestia. Haji Hekmat, porém, rejeita as alegações de que membros do Talibã foram os responsáveis.

Muitos no mercado expressam seu apoio ao grupo e sua gratidão a eles por melhorarem a segurança. No entanto, com os combatentes do Talibã nos acompanhando o tempo todo, é difícil saber o que os residentes realmente pensam.

As opiniões linha-dura do grupo às vezes estão em sintonia com os afegãos mais conservadores, mas o Talibã agora está pressionando pelo controle de várias cidades maiores.

À sombra da Mesquita Azul de Mazar-e-Sharif, homens e mulheres passearam na semana passada em um ambiente social visivelmente mais relaxado.

O governo ainda está no controle da cidade e quase todos com quem falei expressaram preocupação sobre o que o avanço do Talibã significará, especialmente para as “liberdades” com as quais as gerações mais jovens cresceram.






Fonte: BBC

Nenhum comentário