Últimas do Mix

Homem é espancado até a morte após reclamar do preço da carne

Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução
Um homem de 40 anos, identificado como Wagner de Oliveira, foi espancado até a morte, depois de reclamar do aumento do preço da carne.

O caso aconteceu no último sábado (02), na frente de um açougue, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

De acordo com informações preliminares, a vítima trabalhava como vendedor de salgados, e após terminar mais um dia de trabalho, foi até o açougue comprar carne.

Populares que estavam no local quando o crime aconteceu, informaram que Wagner teria feito alguns comentários sobre o preço da carne, quando um homem que não trabalha no açougue começou a espancar a vítima do lado de fora, acompanhado de um gerente do local, que estava de folga.

O açougue Shopping das Carnes afirmou que o funcionário foi afastado. A empresa também diz que colabora com as investigações e que está prestando suporte à família.

Os dois homens foram presos. Segundo a Polícia Civil, os suspeitos apresentavam sinais de embriaguez.

A vítima deixa esposa e três filhos, entre os quais um bebê.

Nota do estabelecimento

Nós, do Shopping das Carnes, lamentamos profundamente a morte de Wagner de Oliveira Lovato, confirmada ontem, dia 3 de outubro.

Estamos adotando todas as medidas possíveis para auxiliar as autoridades na apuração das responsabilidades neste ato criminoso em frente ao estabelecimento em Alvorada. O funcionário envolvido neste episódio inaceitável, que não estava em atividade de trabalho no momento do crime, foi afastado pela empresa e está sob custódia da Polícia.

Desde o ocorrido, estamos buscando contato com a família da vítima para dar o suporte necessário. Compreendemos o momento de dor e de reserva e respeitamos o tempo dos familiares. Estamos à disposição para que esse diálogo aconteça.

Em respeito a Wagner de Oliveira Lovato e a sua família, a loja estará fechada nesta segunda-feira (04/10).

O Shopping das Carnes abriu as portas há apenas três meses e emprega 32 funcionários instruídos a atender com respeito e atenção ao cliente. Estamos profundamente consternados com este episódio inexplicável. Não toleramos, nem admitimos, nenhum tipo de violência.

*Com informações do G1

Nenhum comentário