Últimas do Mix

EUA: Pesquisa aponta que 80% dos trabalhadores querem uma semana de 4 dias

Foto: Reprodução/CNN Brasil
Uma lição importante do fenômeno que vem acontecendo nos Estados Unidos, chamada de “a grande demissão” está se tornando cada vez mais clara: é hora de cortar o dia da semana de trabalho.

Os trabalhadores americanos estão pedindo demissão em números recordes – 4,3 milhões em agosto e outros 4,4 milhões em setembro. Os gerentes de todos os setores estão tendo problemas para contratar, mesmo quando aumentam os salários e oferecem incentivos.

Mas uma nova pesquisa oferece suporte para uma solução não tão radical, mas ainda incomum: a semana de trabalho de quatro dias.

Pesquisadores da firma financeira Jefferies perguntaram a jovens americanos (de 22 a 35 anos) que haviam deixado seus empregos recentemente o que seus ex-chefes poderiam ter feito para persuadi-los a ficar.

Trinta e dois por cento disseram que teriam ficado se tivessem recebido a oferta de uma semana de trabalho de quatro dias. Essa foi a segunda resposta mais comum, logo atrás dos 43% que teriam ficado por mais dinheiro.

O estudo também descobriu que 80% dos entrevistados apoiam uma semana de trabalho de quatro dias. Quanto aos 20% restantes: Apenas 3% disseram ser contra uma semana mais curta e 17% foram “neutros”. Entre os trabalhadores com diploma de bacharel, “sentir-se exausto” foi a razão número 1 pela qual desistiram.


Apoio crescente

A ideia de uma semana de quatro dias não é nova, mas a pandemia e o excesso de trabalho que veio com ela revigoraram os defensores.

Durante o verão, o congressista Mark Takano, da Califórnia, apresentou uma legislação que alteraria o Fair Labor Standards Act de 1938 – que codificou o modelo de 40 horas com o qual agora vivemos – para reduzir a semana de trabalho padrão para 32 horas.

Takano citou a revolta impulsionada pela pandemia das normas do local de trabalho em um artigo no mês passado, fazendo comparações com as cataclísmicas mudanças socioeconômicas da década de 1930.

“Global e nacionalmente, acho que estamos em um lugar semelhante agora”, disse Takano. “As normas estão sendo derrubadas e questionadas. As pessoas não querem voltar aos velhos tempos.”Isso não vai acontecer durante a noite”, disse ele. Mas pode acontecer mais rápido do que as pessoas esperam.

A semana de trabalho de 40 horas foi uma luta duramente conquistada por ativistas trabalhistas no início do século XX. E é fácil ver paralelos com o mercado de trabalho atual, quando os trabalhadores estão mais capacitados e os esforços de sindicalização estão crescendo.

Houve muitos experimentos para apoiar a ideia. Um estudo frequentemente citado na Islândia, no qual os trabalhadores reduziram suas horas sem reduzir o pagamento, foi saudado como um sucesso esmagador. Os pesquisadores descobriram que o bem-estar do trabalhador aumentou drasticamente em uma série de indicadores, como estresse percebido e esgotamento.

Quando a Microsoft tentou uma semana de trabalho mais curta no Japão em 2019, ela descobriu que a produtividade aumentou quase 40%.

A Elephant Ventures, uma empresa de engenharia de software e dados, começou a testar uma semana de trabalho de quatro dias em agosto de 2020 para ajudar a prevenir o esgotamento dos funcionários durante a pandemia.

Notavelmente, a Elephant Ventures reduziu sua semana de trabalho para quatro dias de 10 horas, mas o fim de semana de três dias foi tão bem recebido que a empresa está tornando a mudança permanente.


Por que demora tanto tempo?

Em 1930, o economista John Maynard Keynes fez a famosa previsão de que as horas de trabalho diminuiriam com o tempo e que, por volta de 2030, estaríamos todos trabalhando 15 horas por semana. Registre-se na segunda e terça-feira e, em seguida, prepare-se para um fim de semana de cinco dias. Em vez disso, a jornada de trabalho apenas aumentou, especialmente entre os assalariados.


Então, o que acontece?

Os especialistas ofereceram uma série de explicações – as grandes corporações relutam em mudar, especialmente se a mudança afetar os resultados financeiros. É difícil imaginar gerentes correndo para concordar em pagar aos trabalhadores a mesma quantidade de dinheiro por menos trabalho, mesmo que a produtividade se mantenha estável.

“Não vejo muito futuro na semana de quatro dias, porque não ajuda a maioria dos empregadores”, disse Peter Cappelli, professor de administração da Wharton School. Embora faça sentido em áreas como enfermagem, onde é importante ter a mesma pessoa cuidando por mais tempo a cada dia, ele diz, há pouco ou nenhum benefício para os escritórios tradicionais das 9h às 5h para tentar acomodar turnos de 10 horas.

Também há fundamentos culturais, como argumentou o economista Ben Hunnicutt. Antes do início do século 20, “o trabalho e a riqueza tinham um destino – uma vida humana mais rica e plena”, disse Hunnicutt ao Atlantic em junho.

Mas, o que aconteceu,é que o trabalho por si só assumiu o controle, tornando-se parte da identidade das pessoas como nunca antes. E, é claro, existe uma inércia simples. É difícil para os trabalhadores imaginar um cronograma diferente daquele com o qual cresceram.

Fonte: CNN

Nenhum comentário