Últimas do Mix

Seita chinesa que crê em mulher como reencarnação de Jesus se expande na clandestinidade

Yang Xiangbin (à esquerda), ou simplesmente Deng, e Zhao Weishan, fundador da seita, que seria seu namorado Foto: Reprodução

Jesus já voltou, e ele é uma mulher. Esta é a base da crença da Igreja do Deus Todo Poderoso (também conhecida como Relâmpago Oriental), uma seita proibida pelo governo da China em 1995, mas que não para de arregimentar fiéis. Calcula-se que atualmente eles sejam entre 3 e 4 milhões.

A reencarnação de Jesus atenderia pelo nome de Yang Xiangbin, ou simplesmente Deng. Por segurança, o nome nunca foi confirmado. Deng seria namorada de Zhao Weishan, o fundador da seite chinesa.

A história oficial da origem da seita diz: "Em 1991, uma irmã na igreja foi transformada e recebeu a palavra do Espírito Santo e testemunhou 'o nome de Deus' e 'a chegada de Deus'. Todos estavam entusiasmados, mas não entendiam o que estava acontecendo. Então Cristo começou a falar, proferindo um discurso após o outro. As pessoas os distribuíam e sentiam que eram palavras do Espírito Santo, e certamente de Deus."

A maior parte dos seguidores é formada por mulheres solteiras de meia-idade, que abandonam suas famílias para viver em igrejas secretas, que funcionam em casas. Muitas informações sobre o grupo religioso são censuradas pelo regime comunista, que o nomeia oficialmente como "culto do mal".

O culto tem fama de violento, de acordo com o regime de Pequim, adotando a tática de sequestros para forçar conversões. A Igreja do Deus Todo Poderoso é classificada pelo governo como "o culto mais violento do país". Um exemplo desse comportamento agressivo ocorreu, segundo informações oficiais, em 2002, quando integrantes da seita sequestraram 34 membros de uma igreja caseira protestante. As vítimas foram mantidas em cárcere privado por duas semanas, quando foram doutrinadas para se converter e aceitar Deng como Jesus reencarnado. Os que resistiram tiveram parte de uma orelha decepada, de acordo com relatos produzidos pelo governo.

Chinês com parte de orelha decepada, supostamente por integrantes da seita cristã
Reprodução
Chinês com parte de orelha decepada, supostamente por integrantes da seita cristã Foto: Reprodução

Em 2014, uma mulher foi espancada até a morte em uma filial do McDonald's em Hong Kong depois que ela resistiu a um grupo de seis pessoas que se acredita estar recrutando novos membros para a seita. A mídia local afirmou que, para os seguidores do culto, a mulher na lanchonete era um "demônio".

Os fundadores da seita fugiram para Nova York (EUA) com o status de refugiados perseguidos pelo governo chinês, contou reportagem do "Daily Star". Muitos seguidores teriam tido o mesmo destino. Há grande número de adeptos vivendo na Coreia do Sul e em Taiwan. O governo britânico já recebeu pedido de fiéis para asilo.

Exemplares de livros que seriam da Igreja do Deus Todo Poderoso
Reprodução
Exemplares de livros que seriam da Igreja do Deus Todo Poderoso Foto: Reprodução

Mesmo após apocalipses anunciados por Deng não se confirmarem, a seita não perdeu força. Em um deles, milhares de fiéis foram presos por propagarem que o fim do mundo estava próximo e que "Deng estaria no trono de Deus para o Juízo Final".





Extra*

Nenhum comentário