Últimas do Mix

Comissão de Ética da ABI adverte conduta de Leo Dias de 'explorar' caso de Klara Castanho

A Comissão de Ética dos Meios de Comunicação da Associação Brasileira de Imprensa emitiu nota, nesta terça-feira, 28, manifestando indignação e condenando veículos de comunicação que "exploram casos de vítimas de violência sexual". O comunicado adverte o jornalista Leo Dias, colunista do portal Metrópoles envolvido na exposição da gravidez de Klara Castanho, que foi vítima de estupro e entregou o bebê para a adoção.

"Mais um estupro. Mais um crime contra a mulher a impulsionar a audiência de blogs e portais. A Comissão de Ética dos Meios de Comunicação da Associação Brasileira de Imprensa vem a público manifestar sua indignação diante do comportamento antiético de jornalistas e diretores de portais e demais veículos de comunicação que exploram casos de vítimas de violência sexual para ampliar o número de seguidores virtuais.

O jornalismo não pode compactuar nem com o crime, nem com sua exploração midiática. A ABI adverte em específico o jornalista Leo Dias: mesmo o tipo de jornalismo que ele faz deve respeitar certos limites éticos.

A ABI também manifesta sua solidariedade à atriz Klara Castanho e familiares. Esperamos que os meios de comunicação compreendam, de uma vez por todas, que o respeito humano vale mais que a busca de audiência – vale mais que um clique."

Relembre o caso

Rumores sobre o caso surgiram após a youtuber Antonia Fontenelle dizer em live que "uma atriz global de 21 anos teria engravidado e doado a criança para adoção". Klara, então, decidiu publicar seu relato nas redes sociais. "Não posso silenciar ao ver pessoas conspirando e criando versões sobre uma violência repulsiva e um trauma que sofri."

No texto, a atriz conta ter sido estuprada e ter engravidado, mesmo tendo tomado precauções após a violência. Meses depois, quase no término da gestação, ao passar mal, descobriu a gravidez.

"Foi um choque. Meu mundo caiu. Meu ciclo menstrual estava normal, meu corpo também. Não tinha ganhado peso e nem barriga. Eu ainda estava tentando juntar os cacos quando tive que lidar com a informação de ter um bebê. Um bebê fruto de uma violência que me destruiu como mulher", escreveu.

Ela contou que o médico que a atendeu não teve "nehuma empatia" por ela. "Esse profissional me obrigou a ouvir o coração da criança, disse que 50% do DNA eram meus e que eu seria obrigada a amá-lo."

Por não ter "condições emocionais de dar para essa criança o amor, o cuidado e tudo que ela merece ter", Klara buscou uma advogada e tomou a decisão de entregá-la à adoção logo que nascesse. "Passei por todos os trâmites: psicóloga, ministério público, juíza, audiência - todas etapas obrigatórias. Um processo que, pela própria lei, garante sigilo para mim e para a criança."

Porém, segundo ela, o sigilo não foi respeitado. "No dia em que a criança nasceu, eu, ainda anestesiada do pós-parto, fui abordada por uma enfermeira que estava na sala de cirurgia. Ela fez perguntas e ameaçou: 'Imagina se tal colunista descobre essa história'." Ao chegar no quarto, deparou-se com mensagens do colunista, com todas as informações. Um segundo blogueiro buscou-a também dias depois.

"Apenas o fato de eles saberem, mostra que os profissionais que deveriam ter me protegido em um momento de extrema dor e vulnerabilidade, que têm a obrigação legal de respeitar o sigilo da entrega, não foram éticos, nem tiveram respeito por mim e nem pela criança", desabafou.

Com a publicação da carta, a atriz recebeu mensagens de apoio de outros artistas e internautas, que também questionaram a conduta do médico, do enfermeiro e dos colunistas.

Fonte: Terra

Nenhum comentário