Últimas do Mix

Índia registra surto de ‘gripe do tomate’ com mais de 100 crianças infectadas

 

Imagem: RomoloTavani/iStock

A gripe do tomate, ou febre do tomate, foi diagnosticada em 108 crianças de até 9 anos na Índia, segundo os autores do artigo "Surto de gripe do tomate na Índia", publicado recentemente na revista científica The Lancet. Os pesquisadores afirmam que se trata de um vírus desconhecido.

De acordo com a publicação, o maior número de infectados está no estado de Kerala, onde 82 crianças menores de 5 anos foram diagnosticadas com a doença entre 6 de maio e 22 de julho deste ano. Já no estado de Odisha, a infecção já atingiu 26 crianças de 1 a 9 anos, segundo o Centro Regional de Pesquisa Médica em Bhubaneswar.

Para os pesquisadores, a gripe do tomate pode estar relacionada a um efeito posterior da chikungunya ou da dengue em crianças, e não necessariamente a uma infecção viral. Os sintomas da nova infecção são semelhantes, como febre alta, erupções cutâneas e dor intensa nas articulações.

Por outro lado, os cientistas também levantaram a hipótese de a doença ter sido causada por uma nova variante do vírus responsável pela doença mão-pé-boca, que acomete principalmente crianças da mesma faixa etária relacionada ao surto na Índia. 

A nova doença não está relacionada com o consumo de tomate, conforme destacaram os autores do artigo. O nome foi escolhido com base na erupção de bolhas vermelhas e dolorosas que podem surgir na pele e, gradualmente, chegarem ao tamanho de um tomate.

“Tal como acontece com outras infecções virais, outros sintomas incluem fadiga, náuseas, vômitos, diarreia, febre, desidratação, inchaço das articulações, dores no corpo e sintomas comuns semelhantes aos da gripe, que são semelhantes aos manifestados na dengue [...] A gripe do tomate é uma doença autolimitada e não existe nenhum medicamento específico para tratá-la”, diz a publicação.

Os pesquisadores classificaram a gripe do tomate de “muito contagiosa” e recomendaram que seja cumprido um isolamento de até sete dias, contados a partir do início dos sintomas, para os casos confirmados ou suspeitos.

“Dadas as semelhanças com a doença mão-pé-boca, se o surto de gripe do tomate em crianças não for controlado e evitado, a transmissão pode levar a sérias consequências, espalhando-se também em adultos”, afirmam no artigo. 

Além disso, os cientistas também ressaltaram que não existem medicamentos ou vacinas disponíveis para o tratamento e prevenção da gripe do tomate.





R7*

Nenhum comentário