Últimas do Mix

Na TV, Lula destaca políticas sociais, e Bolsonaro defende ações na segurança


Foto: Divulgação
No horário eleitoral desta quinta-feira (15), Ciro fala sobre desigualdade e promete cobrar mais impostos dos super-ricos; Tebet dedica propaganda ao público feminino

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) usou seu tempo no horário eleitoral gratuito na TV nesta quinta-feira (15) para defender políticas públicas de seu governo voltadas para os pobres e para ligar Jair Bolsonaro (PL) a acusações de corrupção. O presidente, por sua vez, falou sobre segurança pública e criticou o petista por falas sobre violência.

A propaganda de Lula abordou a economia. Nela, o petista prometeu salário mínimo com reajuste acima da inflação, investimento em grandes obras e o lançamento do programa Desenrola Brasil, para renegociar dívidas de brasileiros.

Ele também questionou Bolsonaro por envolvimento em denúncias de corrupção, utilizando imagens com notícias de veículos de imprensa.

“Como ele [Bolsonaro] explica a corrupção no Ministério da Educação, que trocava verbas públicas por barras de ouro? Como ele explica decretar sigilos de 100 anos em diversos escândalos do seu governo? Como ele explica o caso das rachadinhas? Como ele explica que sua família comprou 51 imóveis comprando em dinheiro vivo?”, diz o narrador na peça.

Leia Mais

Pesquisa Quaest para governo do AM: Wilson, 35%; Amazonino, 27%; Braga, 21%

Pesquisa Quaest para governo do AM: Wilson, 35%; Amazonino, 27%; Braga, 21%

Movimentos pequenos podem definir se eleição termina no 1º turno, diz professor

Movimentos pequenos podem definir se eleição termina no 1º turno, diz professor

Ministro do TSE suspende propagandas com falas associadas a Michelle Bolsonaro

Ministro do TSE suspende propagandas com falas associadas a Michelle Bolsonaro

 A propaganda de Bolsonaro começou com a exibição de cenas de violência enquanto era reproduzido um vídeo em que Lula falava a seguinte frase: “Eu não posso mais ver jovem de 14, 15 anos, assaltando e sendo violentado e assassinado pela polícia, às vezes inocente, porque roubou um celular”.

A fala é de um discurso do ex-presidente em 2019, após sair da prisão. Apoiadores de Bolsonaro aparecem assistindo ao vídeo e criticando o petista. “Erradíssimo, né? Jamais ele poderia falar um negócio desse, né?”, disse um dos apoiadores.

O narrador questiona, em seguida: “E sobre os ladrões? Vamos ver o que o povo acha”. “Eu tenho medo de ladrão”, diz uma das entrevistadas.

O candidato a vice-presidente, Walter Braga Netto, destacou o aumento da apreensão de drogas e armamentos no governo e comparou os índices com a gestão petista. A primeira-dama, Michelle, apareceu para discursar contra as drogas. “As drogas destroem lares inteiros, não é certo incentivar. O certo é combater”, diz.

Para falar sobre desigualdade no país, Ciro Gomes (PDT) comparou a avenida Faria Lima, em São Paulo, com “uma comunidade” no Rio de Janeiro.

Ele prometeu cobrar mais impostos dos super-ricos e colocar em prática o Programa Renda Mínima, entregando, em média, R$ 1.000 por mês às famílias mais carentes.

Simone Tebet (MDB) dedicou sua propaganda ao público feminino, destacando que foi a primeira mulher a concorrer à presidência do Senado. Ela disse que lutará por igualdade salarial e estabelecer ministérios com paridade entre homens e mulheres.

Felipe D’Avila (Novo) elogiou seu colega de partido Romeu Zema, governador de Minas Gerais e candidato à reeleição. “Romeu Zema colocou Minas Gerais nos trilhos e provou que política de resultado é possível”, disse.

Soraya Thronicke (União Brasil) disse que já votou em Bolsonaro, mas “mudou de opinião” e que é “absolutamente contra o PT e Lula, seu maior líder”.

Padre Kelmon (PTB) afirmou ter a “missão” de não igualar o Brasil a países como Venezuela, Chile e Cuba. “Precisamos unir esse país cristão para evitar esses males que já vimos e que não queremos que se repita aqui”, afirmou.

Saiba mais sobre o horário eleitoral

Neste ano, a rádio e a televisão transmitem dois blocos diários de propaganda eleitoral gratuita, de segunda-feira a sábado. Cada um deles terá 25 minutos: no rádio, o primeiro será transmitido das 7h às 7h25; e o segundo, das 12h às 12h25. Na televisão, as exibições acontecem entre 13h e 13h25 e das 20h às 20h25.

Nas segundas, quartas e sextas, quem aparece são os candidatos a governador, senador e deputado estadual. Já nas terças e quintas e sábados, o tempo vai para candidatos a presidente e deputado federal.

Debate

As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

Fonte: CNN

Nenhum comentário