Últimas do Mix

Porcentagem de crianças do 2º ano que não sabem ler e escrever nem palavras isoladas mais do que dobra na pandemia, diz Inep


Foto: Divulgação
De cada dez alunos de 7 anos, mais do que 3 não estão alfabetizados. Resultados podem ser ainda piores do que os indicados pelo Saeb (prova de português e matemática), porque estados como Roraima registraram taxas de participação no exame abaixo de 50%.

"Isso não foge do esperado. Nessa faixa etária, a mediação presencial [do professor] é especialmente importante", afirma Clara Machado da Silva Alarcão, coordenadora-geral substituta do Saeb.

Tereza Perez, diretora-presidente da Comunidade Educativa Cedac, reforça a relevância das interações sociais também entre os próprios estudantes, quando estão na sala de aula ou nos diferentes espaços de convivência da escola.

"Aprender a ler e a escrever envolve tentativa e erro, passa por mostrar para o outro, comparar, perguntar para a professora. Sabemos que os alunos tiveram essas oportunidades reduzidas durante as aulas on-line e que muitos nem tiveram acesso [à internet]", diz.

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) afirma que, diante dos resultados, "é importante que as redes municipais (...) reúnam seus profissionais da educação para analisar o impacto da pandemia na aprendizagem dos alunos".

"O Saeb 2021 também atesta os efeitos mais acentuados da pandemia nas redes de ensino com menor infraestrutura, que não puderam oferecer conectividade a seus estudantes e professores, o que foi agravado pela condição socioeconômica das famílias mais vulneráveis", informa o órgão.

Em matemática, 2 de cada 10 alunos não sabem somar e subtrair

O Saeb, aplicado a cada dois anos, avalia também os conhecimentos dos alunos em matemática.

No 2º ano do ensino fundamental, 22% das crianças não conseguiam fazer operações básicas, como soma e subtração, em 2021. Em 2019, antes da pandemia, eram 16%.

Problemas na aprendizagem podem ser ainda mais alarmantes

Segundo especialistas, a situação pode ser ainda mais preocupante, já que, quando a avaliação foi aplicada (em novembro e dezembro do ano passado), muitas escolas ainda não haviam voltado para o formato 100% presencial. Provavelmente, no caso delas, a adesão ao exame foi menor do que a registrada nos colégios que já estavam funcionando normalmente.

“É complicado comparar uma rede em que 95% dos alunos fizeram a prova com outra em que 50% prestaram o exame. Aqueles alunos que não compareceram tendem a ser os que estavam em maior vulnerabilidade, afastados da escola. Mesmo que de forma não proposital, isso seleciona os alunos participantes e interfere na nota”, explica Gabriel Corrêa, líder de Políticas Educacionais da ONG Todos Pela Educação.

O Inep já divulgou que, na média nacional, 71,3% dos alunos-alvo fizeram a prova em 2021 – em 2019, a taxa foi de 80,99%. Há desigualdades entre os estados: em Roraima, por exemplo, apenas 27% dos municípios entraram nos cálculos nacionais dos anos iniciais do ensino fundamental, já que a adesão à avaliação foi insuficiente.

"A comparação entre os resultados deve ser evitada", afirma Maria Helena Guimarães de Castro, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE).

Fonte: G1



Nenhum comentário