Últimas do Mix

Mourão nega que irá passar faixa presidencial para Lula

 

 Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil 

O vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos), agora senador eleito pelo Rio Grande do Sul, negou a possibilidade de entregar a faixa presidencial ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) caso o atual chefe do Executivo Jair Bolsonaro (PL) se recuse a cumprir o rito de transição. 

“Passagem de faixa é do presidente que sai para o presidente que entra.[…] Eu não sou o presidente. Eu não posso botar aquela faixa, tirar e entregar”, disse Mourão em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta 4ª feira (16.nov.2022).

Ele avaliou que o compromisso de entrega da faixa por Bolsonaro denotaria um “grande gesto” para uma eventual revanche na próxima eleição. “Acho que seria um gesto de altivez e de desafio: “Toma aí, te vira agora aí, meu irmão. Te vejo em 2026”, afirmou. 

Questionado sobre o estado de espírito do governo com o término do mandato, Mourão brincou com a versão de um trecho retirado do rap “Se Acabo”, da banda The Beanuts, viralizado na plataforma TikTok. 

“Estamos no ritmo daquela musiquinha: “Se Acabou”. Estamos no ritmo de limpar mesinhas, preparar as coisas. […] Um novo inquilino está chegando”, disse, em referência ao vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB).

Vice na chapa que elegeu Bolsonaro em 2018, Mourão perdeu espaço no governo ao longo do mandato e não concorreu novamente ao Palácio do Jaburu. O posto foi ocupado pelo general Walter Braga Netto (PL).

Segundo ele, Bolsonaro deve trabalhar nos próximos anos para se manter como o principal nome da oposição “quando emergir do retiro espiritual”, em alusão ao silêncio adotado pelo presidente desde o final do 2º turno. 

Leia outros pontos da entrevista:

Intervenção federal 

Mourão negou a possibilidade de uma intervenção das Forças Armadas contra o resultado da eleição e defendeu uma estratégia de crescimento da oposição com o capital político de Bolsonaro nas eleições municipais de 2024.

“A minha mensagem é muito clara: nós temos que viver para lutar no outro dia. Não adianta querer morrer hoje, senão não vamos viver para lutar amanhã. Viver para constituirmos uma força tremenda”, disse.

Além de Bolsonaro, ele também colocou o governador eleito de São Paulo e seu correligionário Tarcísio de Freitas (Republicanos) como um possível candidato para a próxima eleição presidencial.

PEC fura-teto

Mourão definiu a proposta para retirar permanentemente os recursos do Bolsa Família do teto de gastos, estudada pelo governo eleito, como um “estupro no equilíbrio fiscal do país”.

Porém, avaliou que o teto de gastos herdado do governo Michel Temer “está chegando no limite” e deve dar espaço a uma nova regra “que permita previsibilidade fiscal”. 

Relação de Lula com o Congresso

O vice-presidente disse acreditar que o Executivo e o Legislativo devem se aproximar do centro político nos próximos anos e afirmou que a direita, maioria na legislatura que tomará posse no Congresso Nacional em 2023, não é um “agrupamento de cães raivosos”.

“Vamos ter que nos acertar para que eles consigam fazer parte do que são as pautas deles. Os 2 lados terão que se buscar sempre olhando para o Brasil”, avaliou.






Nenhum comentário