Últimas do Mix

Diretor financeiro do Corinthians explica receita recorde e fala em "endividamento controlado"

Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians / Gazeta Esportiva

Conforme divulgado pelo portal Meu Timão, que teve acesso ao documento, o Alvinegro apresentou um superávit recorde, mas também lida com um aumento da dívida total, que, segundo o diretor financeiro do clube, Wesley Melo, está controlada.

Conforme o documento, o Corinthians alcançou uma receita maior que a de 2021, com R$ 766,2 milhões, superando em mais de 260 milhões em relação ao ano anterior. Como principais fontes dessa receita estão direitos de TV (R$ 314,3 mi), patrocínios (R$ 107,8 mi) e bilheteria (R$ 97,3 mi).

Melo, à reportagem citada, comentou sobre o superávit do clube no fechamento de 2022.

"Pelo segundo ano consecutivo vamos ter superávit, depois de anos de déficits significativos. Em 2021 o superávit foi de R$ 5,7 milhões. E para 2022, estamos prevendo fechar em R$ 12 milhões", disse.

Por outro lado, o clube ainda lida com dívidas, que neste ano, foram superiores às de 2021, igualando a marca de dois anos atrás (2020). Também segundo o diretor financeiro do clube, o endividamento do clube é de R$ 949 milhões, um aumento de R$ 37 milhões em relação a 2021, enquanto em 2019 esse valor foi de R$ 783 milhões.

"O nosso endividamento está controlado. Sempre foi nosso planejamento 'estancar o crescimento da dívida'. Duílio sempre deixou claro 'que o nosso título nessa gestão seria pagar contas'", declarou Wesley Melo.

Ao comentar sobre as dívidas, o diretor atribuiu esse aumento à compra do meia argentino Fausto Vera, de 22 anos, além de considerar "juros exorbitantes" e "impostos elevadíssimos". O Corinthians adquiriu 70% dos direitos econômicos do jogador e pagou cerca de R$ 25 milhões para contar com ele no elenco.

Contudo, o diretor "tranquilizou" os torcedores ao falar sobre uma futura venda que pode render um valor maior ao Timão.

"Um outro fator a ser considerado no endividamento é a compra (assertiva até aqui) do Fausto Vera. Se não tivéssemos contratado o nosso guerreiro argentino do meio-campo, esse endividamento seria menor. Mas tenham em mente que o Fausto pode ser vendido por um valor muito superior ao de aquisição. Portanto, além de retorno dentro de campo, também pode nos dar um bom retorno financeiro", comentou.

Gazeta Esportiva

Nenhum comentário