Últimas do Mix

Fundação de Medicina Tropical faz alerta sobre aumento de acidentes de crianças com animais peçonhentos no AM

FOTO: Thiago Freire/FMT
No período de chuvas aumentam os casos de acidentes com serpentes, aranhas, escorpiões e lagartos

A Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) faz um alerta e orienta pais e responsáveis sobre os riscos de acidentes com animais peçonhentos, principalmente, com crianças, neste período de chuvas.

Atualmente, há cinco crianças internadas no hospital da FMT-HVD por acidentes com serpentes. As crianças são de diferentes regiões do estado e residem em zonas rural e urbana.

“Nós temos observado, nas últimas semanas, o número de crianças atacadas por serpentes e resolvemos fazer um alerta aos pais, para que eles orientem as crianças a evitar todo ambiente onde esses animais possam estar”, disse o diretor de Assistência Médica da FMT-HVD, Dr. Antonio Magela.

“O número de internações nos dá uma alerta real da situação atual. Nós temos um grande número de pacientes vítimas de internações por agressões de serpentes. É uma situação bem inerente a esta época do ano. Há um aumento das chuvas e esses animais procuram locais secos para se abrigar, e acabam se encontrando furtivamente e acidentalmente com os seres humanos causando acidentes, já que os animais não têm a intenção de atacar”, afirmou.

Magela afirma que quintais no qual se encontram entulhos, objetos acumulados são locais propícios para o aparecimentos destes animais porque podem ser abrigo seco em época de chuvas.

O que fazer?

“Qualquer pessoa que sofrer um acidente com serpentes, escorpiões, lagartas, aranhas, deve procurar o mais rápido possível a unidade de saúde mais próxima. A unidade vai fazer a avaliação clínica, e havendo sinais de envenenamento agudo, a pessoa vai ser encaminhada para a Fundação de Medicina Tropical para o devido tratamento”, disse Magela

Todos os municípios têm unidades de referência e têm acesso ao soro antiofídico. O Programa Nacional de Imunização (PNI) distribui soro anti veneno. Todo o uso de soro tem notificação compulsória, que garante a reposição do estoque do medicamento, deixando sempre a unidade abastecida.

O que não fazer?

Magela afirma que o que não fazer é, muitas vezes, mais importante do que o que fazer.

“Antigamente se dizia que deveria ser amarrado o membro acometido, mas não é recomendado mais esse tipo de procedimento”, alertou o médico.

Além disso, outras atitudes, muitas de cunho cultural, também são contra indicadas, como cortar o ferimento para sangrar mais, sugar o ferimento com a boca, colocar qualquer coisa sobre a lesão. Todas essas atitudes podem agravar a situação do paciente.

Nenhum comentário