Últimas do Mix

Serial killer do Amazonas: homem viciado em matar mulheres é preso em Iranduba

Foto: Reprodução/D24AM
Um homem, identificado como Natan de Melo Furtado, de 33 anos, foi preso nessa segunda-feira (23), suspeito de matar Leonor Maria Nascimento da Silva, de 57 anos, no bairro Raiz, zona Sul de Manaus. Natan está sendo considerado pela Polícia como serial killer, termo usado para pessoas viciadas em matar.

De acordo com a Polícia, o suspeito matou duas mulheres carbonizadas no município de Boca do Acre, no interior do Amazonas, antes de chegar em Manaus e conhecer Leonor.

“Natan é um perigoso assassino, podemos chamá-lo até de um serial killer, tendo em vista que ele já está na terceira vítima, mulher, um padrão adotado por ele sempre acima dos 40 anos, mulheres solteiras. Ele se aproxima de alguma forma, ganha a confiança dessas pessoas, adquire vantagens com essa aproximação e quando alguma coisa o desagrada ele acaba retirando a vida dessas pessoas de forma brutal”, diz o delegado Ricardo Cunha da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Segundo a autoridade policial, a primeira vítima de Natan ocorreu no ano de 2016, ainda em Boca do Acre, quando o suspeito incendiou uma casa com a pessoa com a qual se relacionava dentro.

Já em 2021, Natan cometeu outro feminicídio exatamente da mesma forma, queimando a mulher viva. Ele chegou a ser preso no município na época, mas conseguiu fugir e viajar para Manaus.

“Nas duas ocasiões, tanto em 2016 quanto em 2021, ele foi flagranteado. Ele sai de Boca do Acre em uma fuga onde ele serra as grades do xadrez da delegacia e vem embora para Manaus em 2021”, complementou a delegada adjunta Débora Barreiros.

Em Manaus, o criminoso conheceu Leonor, alugou um quarto que fica nos fundos da casa e, alguns meses depois, matou a mesma com mais de 73 facadas, e fugiu para Iranduba, onde acabou preso nessa segunda-feira (23).

Ainda de acordo com a delegada, neste caso, os dois não tinham relação afetiva e afirma que o crime foi motivado exclusivamente por ódio às mulheres.

Nenhum comentário