Últimas do Mix

Corpo da filha de mulher que usou enxada para buscar parentes em Petrópolis é reconhecido

Maria Eduarda, a Duda, de 17 anos, é uma das vítimas da tragédia em Petrópolis — Foto: Reprodução

Uma das cenas marcantes da tragédia em Petrópolis foi a de Gizelia de Oliveira Carminate, de 36 anos, usando uma enxada para cavar a lama e tentar encontrar parentes soterrados (veja no vídeo abaixo). No início da tarde, a agonia se transformou em dor: a moradora de Juiz de Fora (MG) recebeu a confirmação de que a filha, Maria Eduarda Carminate de Carvalho, de 17 anos, tinha tido o corpo reconhecido.

"Minha filha era a coisa mais linda que tem no mundo. Te juro por deus. Uma princesa, 17 anos", disse Gizelia, muito emocionada.

A mãe, que saiu ainda de madrugada, de Juiz de Fora, a cerca de 120 quilômetros de Petrópolis, para buscar pela filha. Usou as mãos e outros objetos para tentar escavar. Chegou a perder a unha de tanto tentar cavar.

Mais cedo, Gizelia cobrava ajuda para tentar achar os parentes. “Tem que mexer, mas ninguém tá mexendo. É uma bebê de 1 ano sem respirar debaixo dessa lama. Você consegue?”.

Duda era uma das dezenas de soterradas no Morro da Oficina, um dos locais mais devastados pela chuva em Petrópolis. Em seis horas, choveu o previsto para todo o mês de fevereiro. Segundo os moradores, uma estamparia e um bar estavam em pleno funcionamento no começo do temporal.

Estudante e digital influencer

Além de cursar o ensino médio, Duda trabalhava em um salão de cabeleireiro e estava investindo na carreira de digital influencer. Tinha o sonho de ser modelo. Estava em Petrópolis havia quatro dias. No Instagram, tinha mais de 16 mil seguidores, que deixaram mensagens nesta quarta. "Deus conforte os familiares e amigos", escreveu um usuário.

Fonte: G1-Petrópolis


Nenhum comentário