Últimas do Mix

Bolsonaro reclama por “ser ameaçado de cadeia quando deixar o governo”

Foto: reprodução 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) reclamou, nesta quinta-feira (4/8), por ser ameaçado de prisão quando deixar o cargo. A declaração ocorreu em discurso durante uma agenda com pastores evangélicos, em São Paulo. O colunista do Metrópoles Guilherme Amado revelou, nesta semana, que Bolsonaro tem relatado a aliados o que enxerga como uma conspiração para levá-lo à prisão num cenário de derrota em sua tentativa de reeleição.

“Por vezes me pergunto: ‘Quem sou eu para chegar onde cheguei?’. Isso não é da boca para fora. O pessoal sabe, quando anda comigo, quantas vezes eu falo: ‘É muito mais fácil estar do outro lado, mas muito mais fácil, e não estar sendo ameaçado de cadeia quando deixar o governo’”, discursou Bolsonaro.

O presidente afirmou, como já fez outras vezes, que a acusação que recairia sobre ele seria a mesma que recaiu sobre a ex-presidente da Bolívia Jeanine Añez: atos antidemocráticos. A boliviana foi acusada de ter realizado um golpe contra o ex-presidente Evo Morales, em 2019. Ela foi condenada em 2022 a 10 anos de prisão.

Na sequência do discurso, Bolsonaro se queixou de pressões externas para nomeações ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“Tem pessoas que o tempo todo ficam falando: ‘Olha o teu futuro, você tem que fazer isso’, ‘Eu não quero esse nome para o STJ, tem que ser aquele outro, porque é lista tríplice, ou lista quádrupla’. Para o Supremo, a pressão que eu sofri”, relatou.

Ele, então, comentou ao público, formado por pastores, a demora na aprovação de André Mendonça, nome evangélico prometido ao segmento para uma cadeira na Corte, e chamou de “chantagem” as negociações em torno da aprovação de Mendonça, mas garantiu que sua palavra “vale”.

As Forças Armadas foram convidadas para integrar a Comissão de Transparência Eleitoral e apresentaram sugestões ao pleito deste ano. Alguns dos itens foram acatados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE); outros foram negados, sob a justificativa de que não há tempo hábil para implementação nesta eleição.

Bolsonaro tem se queixado dessa recusa, criticando de forma nominal os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e Alexandre de Moraes – respectivamente, ex, atual e futuro presidente da Corte Eleitoral.



Fonte: Metrópoles 

Nenhum comentário