Últimas do Mix

Armênia e Azerbaijão fazem primeiro acordo de cessar-fogo em dois anos


Foto: Divulgação
Os dois países lutam há décadas por Nagorno-Karabakh, um enclave montanhoso reconhecido como parte do Azerbaijão enquanto abriga uma grande população armênia

Uma autoridade armênia disse na noite de quarta-feira (14) que uma trégua foi acertada com o Azerbaijão após dois dias de violência ligada a uma disputa de décadas entre os ex-estados soviéticos sobre o território de Nagorno-Karabakh.

Não houve notícias do Azerbaijão sobre uma trégua para interromper as trocas mais mortíferas entre os países desde 2020.

A Rússia é a força diplomática preeminente na região e mantém 2.000 forças de paz na região. Moscou intermediou o acordo que encerrou os combates de 2020 – apelidados de segunda guerra de Karabakh – em que centenas morreram.

Leia Mais

Entenda novo confronto entre Azerbaijão e Armênia e por que isso importa

Entenda novo confronto entre Azerbaijão e Armênia e por que isso importa

Putin busca acalmar Azerbaijão e Armênia após 50 mortes em confrontos

Putin busca acalmar Azerbaijão e Armênia após 50 mortes em confrontos

Ucrânia pressiona para retomar terra capturada da Rússia e pede armas ocidentais

Ucrânia pressiona para retomar terra capturada da Rússia e pede armas ocidentais

As agências de notícias russas citaram Armen Grigoryan, secretário do Conselho de Segurança da Armênia, dizendo à televisão armênia: “Graças ao envolvimento da comunidade internacional, foi alcançado um acordo de cessar-fogo”.

O anúncio disse que a trégua estava em vigor há várias horas. O Ministério da Defesa da Armênia havia dito anteriormente que os tiroteios nas áreas de fronteira haviam parado.

Cada lado culpa o outro pelos novos confrontos.

O primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinyan, havia dito anteriormente ao parlamento que 105 militares armênios foram mortos desde que a violência começou nesta semana.

Leia Mais

Em encontro com Xi, Putin elogia posição da China sobre guerra na Ucrânia

Em encontro com Xi, Putin elogia posição da China sobre guerra na Ucrânia

“Estamos longe do fim da guerra”, diz Guterres após falar com Putin

“Estamos longe do fim da guerra”, diz Guterres após falar com Putin

No início da guerra, Putin rejeitou acordo de paz recomendado por seu assessor

No início da guerra, Putin rejeitou acordo de paz recomendado por seu assessor

O Azerbaijão relatou 50 mortes militares no primeiro dia de combate. A Reuters não conseguiu verificar as contas dos dois lados.

Grigory Karasin, um membro sênior da câmara alta do parlamento russo, disse à agência de notícias RIA que a trégua foi conquistada em grande parte por meio de esforços diplomáticos russos.

O presidente russo, Vladimir Putin, falou com Pashinyan, disse ele. Putin pediu calma depois que a violência eclodiu e outros países pediram moderação de ambos os lados.

Em seu discurso ao parlamento, Pashinyan disse que seu país apelou à Organização do Tratado de Segurança Coletiva, liderada por Moscou, para ajudar a restaurar sua integridade territorial.

Leia Mais

Análise: Em Hong Kong, luto pela rainha tem outro propósito, de desafiar a China

Análise: Em Hong Kong, luto pela rainha tem outro propósito, de desafiar a China

Veja três pontos que mostram relação mais estreita entre China e Rússia

Veja três pontos que mostram relação mais estreita entre China e Rússia

Análise: Putin precisa de Xi Jinping mais do que nunca após desfechos na Ucrânia

Análise: Putin precisa de Xi Jinping mais do que nunca após desfechos na Ucrânia

“Se dissermos que o Azerbaijão atacou a Armênia, isso significa que eles conseguiram estabelecer o controle sobre alguns territórios”, disse ele à agência russa Tass.

A Armênia e o Azerbaijão lutam há décadas por Nagorno-Karabakh, um enclave montanhoso reconhecido como parte do Azerbaijão enquanto abriga uma grande população armênia.

Os combates começaram no final do domínio soviético, e as forças armênias assumiram o controle de grandes faixas de território dentro e ao redor dele no início da década de 1990. O Azerbaijão, apoiado pela Turquia, retomou amplamente esses territórios ao longo de seis semanas em 2020.

Desde então, escaramuças eclodiram periodicamente, apesar das reuniões entre Pashinyan e o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, com o objetivo de conquistar um acordo de paz abrangente.

A infelicidade doméstica na Armênia com a derrota de 2020 provocou repetidos protestos contra Pashinyan, que rejeitou relatos de que havia assinado um acordo com Baku.

Em um post no Facebook, ele culpou os relatos de “sabotagem informacional dirigida por forças hostis”.

Um conflito completo arriscaria arrastar a Rússia e a Turquia e desestabilizaria um importante corredor para oleodutos e gasodutos, assim como a guerra na Ucrânia interrompe o fornecimento de energia.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Armênia, Paruyr Hovhannisyan, disse que os confrontos podem se transformar em uma guerra – um segundo grande conflito armado na antiga União Soviética, enquanto os militares da Rússia estão focados na Ucrânia.

Leia Mais

Alesp recebe oito pedidos de cassação de Douglas Garcia após ataque à jornalista

Alesp recebe oito pedidos de cassação de Douglas Garcia após ataque à jornalista

Ciro promete cortar renúncias fiscais e federalizar combate a facções criminosas

Ciro promete cortar renúncias fiscais e federalizar combate a facções criminosas

Moraes lamenta episódios de violência em período eleitoral

Moraes lamenta episódios de violência em período eleitoral

O Azerbaijão acusou a Armênia, que está em uma aliança militar com Moscou e abriga uma base militar russa, de bombardear suas unidades do exército.

Baku disse que o ministro das Relações Exteriores do Azerbaijão, Jeyhun Bayramov, se encontrou com o conselheiro do Departamento de Estado dos EUA para o Cáucaso, Philip Reeker, dizendo que a Armênia deve se retirar do território azeri.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na terça-feira (13) que a Rússia pode “agitar a panela” ou usar sua influência para ajudar a “acalmar as águas”.

A ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, em uma ligação com seus colegas de ambos os países, também pediu o “fim dos ataques contra o território armênio”

Fonte: CNN

Nenhum comentário