Últimas do Mix

Jovem mata estuprador e é condenada a pagar R$ 750 mil a família do homem


Foto: Divulgação
Uma adolescente de Iowa (EUA) terá de indenizar a família de um homem que a teria estuprado e a forçado a se prostituir, após o assassinar com 30 facadas, segundo a BBC e a ABC News. Pieper Lewis, 17, foi condenada a pagar US$ 150.000 (aproximadamente R$ 776 mil na cotação atual) aos familiares de Zachary Brooks, 37. As investigações apontaram que Pieper fugia de uma relação abusiva com a mãe adotiva e dormia nos corredores de um prédio em Des Moines, quando um homem de 28 anos a levou e passou a traficá-la para outros homens.... 

 Ela alegou que um desses homens era Brooks e que ele a estuprou várias vezes nos dias anteriores ao assassinato. Ainda de acordo com Pieper, ela diz ter sido ameaçada com uma faca pelo rapaz de 28 anos para ir com Brooks a um apartamento.

 A jovem relatou às autoridades que, após mais um estupro, ela pegou uma faca de uma mesa e esfaqueou Brooks em um "ataque de raiva". A polícia e os promotores não contestam que Pieper foi violentada, mas argumentaram que o suposto estuprador estava dormindo quando foi esfaqueado, não configurando um perigo imediato para ela.

 No ano passado, Pieper se declarou culpada por homicídio involuntário e lesão intencional no assassinato de Brooks em junho de 2020. Os crimes poderiam levá-la a 10 anos de prisão.

 David Porter, juiz distrital do condado de Polk, adiou as sentenças de prisão, mas, caso ela viole qualquer parte de sua liberdade condicional, a pena será de 20 anos em regime fechado

. Quanto à multa significativa, o juiz lamentou e disse que o tribunal "não tem outra opção", devido às leis estaduais. Além disso, Iowa não dá às vítimas de tráfico pelo menos algum nível de imunidade criminal, como acontece em outros estados

. Em uma declaração, Pieper contou que é uma "sobrevivente" em seu julgamento.Meu espírito foi queimado, mas ainda brilha através das chamas. Ouça-me rugir, veja-me brilhar e veja-me crescer. Sou uma sobrevivente"

. Os promotores discordaram dela se colocar como "vítima", nas palavras deles, dizendo que ela não assumiu a responsabilidade pelo assassinato e "deixar seus filhos sem pai". Como ela teve passagem pela detenção juvenil, o juiz também demonstrou preocupação ao fato de ela não seguir regras estabelecidas. "Esta é a segunda chance que você pediu. Você não terá uma terceira".

Pieper aceita que cometeu o crime, mas defendeu seus atos. "Eu tirei a vida de uma pessoa. Minhas intenções naquele dia não eram apenas sair e tirar a vida de alguém. Em minha mente, senti que não estava segura e que estava em perigo, o que resultou nos atos. Mas isso não tira o fato de que um crime foi cometido.

Fonte: Uol

Nenhum comentário